Onde comer em Santiago: melhores restaurantes, do café ao jantar

Procurando onde comer em Santiago? A capital do Chile é conhecida por seus deliciosos vinhos, mas também tem uma cena gastronômica múltipla e diversa.

Neste texto, você vai encontrar uma lista dos melhores restaurantes onde comer em Santiago a qualquer hora do dia, seja para café, almoço ou jantar.

Comidas típicas do Chile: o que é bom comer em Santiago

Tradicionais no Chile e também na Argentina, as empanadas estão por todos os lados de Santiago. O recheio de carne moída, uva passa, azeitona e ovo cozido é a receita da empanada de pino, sabor mais típico do país, principalmente nas Festas Patrias que ocorrem em setembro.

O milho é um ingrediente tradicional do país e é a base da receita do pastel de choclo. É como se fosse um escondidinho ou uma torta com base de milho cujo recheio comum é de carne ou frango.

Já as sopaipillas são quase que pãezinhos fritos em formato de disco com massa de abóbora, manteiga e farinha. Podem ser comidas com acompanhamentos salgados ou doces.

Um prato simples, mas que é comum encontrar em qualquer restaurante ou bar do Chile, é a chorrillana. É tradicionalmente feito com batata frita, ovos com gema mole, carne, cebola e linguiça. O mais comum é encontrá-la em porções grandes para dividir.

Quem gosta de sopa não pode deixar de experimentar a cazuela, que leva carne ou peixe com vegetais, batata e farinha de milho. Outra sopa típica é a carbonada, feita com milho verde ou branco, trufas de zapallo e carne, geralmente acompanhada por batatas fritas.

O Chile compartilha uma bebida tradicional com o Peru: o pisco sour, feito com o pisco, suco de limão, açúcar e clara de ovo.

Quanto custa comer em Santiago: gasto com alimentação por dia

Santiago, por ser uma capital moderna e turística, é uma cidade cara. Apesar do peso chileno (simbolizado apenas como $) ser desvalorizado em relação ao real, os preços são mais elevados. Então, não se assuste quando você só enxergar preços na casa dos milhares.

Para tomar um café em Santiago com um espresso e uma medialuna, por exemplo, é possível pagar na faixa de $3.500 em lugares mais baratos.

O preço de uma refeição varia conforme o lugar escolhido, mas dá pra encontrar pratos principais na média de $7.000.

Cervejas e taças de vinho a partir de $3.000.

Onde tomar café em Santiago

O Café Triciclo fica pertinho do Museu Nacional de Belas Artes e é uma ótima visita para os apreciadores de cafés especiais. Isso porque o local também é uma torrefação e vende os próprios cafés.

Vale a pena experimentar o café filtrado ($2.800) e, para quem quiser provar uma opção diferente, uma boa pedida é o chai latte ($3.200). Também vendem os cafés em grãos, da própria marca chamada Café 3Ciclos, em sacos de 200g e 330g.

Tem poucas opções de comidinhas no cardápio, mas um bom acompanhamento para o café são as torradas (a partir de $4.000), seja de abacate ou de húmus de beterraba.

Outra cafeteria tradicional em Santiago é a Café Villa Real, que está em funcionamento há mais de 70 anos e ao lado do Teatro Oriente. É muito comum encontrar grupos de pessoas nas mesas na hora do chá.

Tanto os chás como os cafés ficam na faixa dos $3.000, com exceção do café irlandês ($4.500) que leva whisky. Tem lanches como scones e croissants com recheios doces e salgados, mas o destaque da casa são as típicas sopaipillas (a partir de $4.500, 4 unidades).

Já a Confitería Torres é um patrimônio histórico da cidade. Fundada em 1879, fica a poucas quadras do Palácio de la Moneda. Uma das (muitas) personalidades que fizeram parte de sua clientela foi Pablo Neruda e um dos lanches é nomeado em homenagem a um outro cliente ilustre: o presidente Barros Luco. O sanduíche com queijo e carne ($9.200) era o pedido típico dele.

A especialidade da casa é a gastronomia chilena, com pratos típicos sendo servidos no almoço e no jantar. As empanadas de pino com queijo ($6.500) são boas entradas.

onde comer em santiago - cafeterias

O ambiente tradicional da Confitería Torres e a decoração temática do Wonderland Café

Para quem curte um lugar diferente e temático, uma boa é o Wonderland Café. O local é inspirado em Alice no País das Maravilhas e a decoração relembra o conto de fadas, com referências a cartas, relógios, chapéus e coelhos.

Dentro do tema, o cardápio tem inspiração na gastronomia britânica. É possível pedir um bule de chá individual ($5.000) com ovos escoceses ($7.800), que vêm envoltos em carne empanada com salada. Ainda, outras opções inglesas são bagels e scones.

Os milkshakes levam nomes com referência direta ao conto: Mad Hatter e The Rabbit, ambos bem chocolatudos. O cardápio também tem uma seleção de doces veganos, como bolos e biscoitos.

Por falar em doces, quem ama chocolate precisa visitar o Brussels Heart of Chocolate. Lá tem o melhor chocolate quente de Santiago (a partir de $4.400) e podendo ser com chocolate ao leite, amargo ou branco.

Além do chocolate quente clássico, tem opções diferentes como o mexicano (com pimenta e canela), o Sydney (com caramelo salgado) e o americano (com marshmallows). Os shakes ficam na faixa dos $6.000, com biscoitos, manteiga de amendoim ou coco.

Para comer, os destaques são os waffles belgas (a partir de $7.600), com banana, sorvete ou chantilly.

Onde almoçar em Santiago: bons restaurantes

Se você busca uma comida chilena autêntica, ideal é o Galindo. Lá tem cara de boteco mesmo, com uma comida simples, mas deliciosa.

O lugar tem um bom custo/benefício, apesar de ser turístico. A começar pelas bebidas, com cervejas por cerca de $3.000, mesmo preço do qual partem as taças de vinho.

O pastel de choclo de lá ($9.800) é considerado um dos melhores do Chile. A porção é enooorme e dá para dividir. Também servem petiscos e lanches, como sanduíches a partir de $4.800, as típicas empanadas de pino ($5.500) e sopaipillas caseiras ($2.800).

O Liguria também é um restaurante e bar muito tradicional de Santiago, com mais de uma unidade pela cidade. A decoração chama a atenção por ser repleta de quadros, placas e pinturas relacionadas à cultura do Chile. Não deve ter um cantinho da parede que não esteja decorado.

Os pratos do dia costumam partir de $12.000. A especialidade do cardápio é a gastronomia chilena. Também tem pastel de choclo e a cazuela do Liguria, feita com carne de vaca e milho, é um prato muito recomendado.

No bar, há cervejas artesanais da marca chilena SPOH ($5.900), enquanto uma taça de vinho custa a partir de $4.900.

restaurantes para almoçar em santiago

O pastel de choclo do Bar Liguria e o ceviche de salmão do Mestizo

Outro bom restaurante onde comer em Santiago é o El Hoyo, um lugar simples com arquitetura do início do século XX. Fica próximo à Estação Central Ferroviária, um pouco mais afastado das áreas turísticas.

O Terremoto é o drink mais famoso do restaurante e não dá para deixar de experimentá-lo. Ele é feito com vinho pipeño e sorvete de abacaxi e custa a partir de $3.500. Pode ser pedido tanto em copo individual como em jarras.

O restaurante serve entradas e petiscos, como a chorrillana ($12.500) que é ideal para compartilhar. Já os pratos principais custam a partir de $7.500, com receitas clássicas como churrasco, pernil e cazuela.

Um prato pra lá de especial é o Centenário, criado em homenagem aos 100 anos do restaurante. Vem com arrollado (prato típico de carne de porco em rolo), pernil, língua, prietas (que é uma espécie de morcela) e batatas cozidas. Custa $54.900 e serve de 5 a 6 pessoas.

O El Hoyo tem um ótimo custo/benefício e é muito frequentado por moradores da cidade mesmo.

Um favorito dos turistas é o Restaurante Giratorio. Isso porque fica no topo de um edifício e, assim como o nome indica, ele gira. A volta completa de 360º proporciona uma vista panorâmica da cidade, das Cordilheiras dos Andes ao Cerro San Cristóbal.

O cardápio foca na cozinha contemporânea e internacional e, por ser muito turístico, tem um preço um pouco mais elevado. Porém, na hora do almoço, é possível pedir o menu executivo com entrada, prato principal e sobremesa por $16.900.

No menu a la carte, as entradas custam a partir de $12.500 e tem muitas opções de frutos do mar, como carpaccio, ceviche, lula crocante e camarões ao parmesão. Um prato principal muito indicado é o filete provenzal ($21.000), um filé coberto por camarões e ragu de champignon. Para beber, cervejas saem por $4.800 e uma taça de vinho por $5.200.

Outro lugar com uma bela vista é o Mestizo. O restaurante fica dentro do Parque Bicentenario e tem uma arquitetura belíssima. Prefira sentar nas mesas externas para comer apreciando a natureza do parque.

Tem muitas opções de entradas e petiscos que partem de $11.800, com a salada de lentilhas e cous cous. Vale a pena destacar que todos vêm em porções individuais.

O cardápio é variado, com massas, risotos, frutos do mar, caldos e até mesmo carnes feitas na parrilla. O polvo grelhado na parrilla ($18.600) é servido com purê de batatas e azeitonas, tinta de lula e alho negro e molho de pimentas. Os ceviches e tiraditos ficam na faixa dos $14.000.

Onde jantar e sair à noite para beber em Santiago

O bar e restaurante Chipe Libre – República Independiente del Pisco criou bandeira, território e história de um país imaginário. O espaço se define como uma república nascida para pôr fim à rixa entre Chile e Peru sobre quem é o verdadeiro detentor do pisco.

A influência dos dois países está muito presente no restaurante. Nas entradas, tem tiraditos de atum Nikkei ($11.500), um tipo de culinária do Peru com influências japonesas, e sopaipillas com frutos do mar ou com carne e frango, a partir de $13.900.

Os pratos principais partem de $9.900. Mas o destaque é o Pisco Bar, no qual dá para experimentar tanto o pisco chileno quanto o peruano e degustar diferentes tipos da bebida. Também tem drinks autorais com pisco a partir de $5.000

Já para degustar os vinhos chilenos, um bom wine bar e restaurante é o Bocanáriz que tem uma carta de vinhos com cerca de 400 rótulos e que já foi premiada.

As taças de vinho e espumante têm opção de 50ml, a partir de $1.800, e de 150ml, a partir de $4.500. Também há a possibilidade de degustação com os vuelos, que custam a partir de $6.500 e cada um conta com 3 rótulos.

Todas as comidas foram pensadas de forma a potencializar o sabor dos vinhos, portanto é aconselhável fazer o pedido buscando a combinação perfeita.

Os pratos principais custam a partir de $13.000. Algumas receitas têm combinações curiosas, como o risoto de berinjelas e grana padano, a pesca do dia com purê de batata doce, laranja, manteiga de gengibre e cenoura e o cordeiro com purê de feijão, bacon e maçã caramelizada.

El Palacio de la Chorrillana é um restaurante e choperia, um bom lugar onde comer em Santiago à noite e aproveitar o happy hour.

Como o nome indica, a especialidade do cardápio é a chorrillana. Tradicionalmente feita com batata frita e carne, no restaurante há combinações com pepperoni, frango crocante, pastel de choclo e até molho barbecue com redução de Coca-Cola. Também tem versões vegetarianas, com milho, pimentão e falafel.

As porções individuais saem a partir de $9.100 e são tão fartas que nem há necessidade de pedir a porção grande se estiver em apenas duas pessoas. A casa serve chopes clássicos e artesanais a partir de $4.800.

O restaurante tem um ótimo custo/benefício e todos os preços, tanto das comidas quanto das bebidas, ficam mais baratos na hora do happy hour, outra vantagem de visitar o restaurante nesse horário.

onde beber em santiago

Os vinhos do Bocanáriz e pratos com flores silvestres do Boragó

Restaurantes chiques em Santiago

Há lugares onde comer em Santiago que oferecem uma experiência mais sofisticada.

O melhor restaurante do Chile consta entre os 30 melhores da lista do World’s 50 Best Restaurants de 2023. É o Boragó, cuja cozinha traz a proposta de trabalhar com produtos endêmicos, provenientes de diferentes regiões do país.

Raízes, flores e sementes são ingredientes que compõem os pratos e o restaurante trabalha com mais de 200 produtores e coletores pelo país. A água servida lá vem da chuva da Patagônia, enquanto o leite é ordenado por eles mesmos e os vegetais vêm da própria horta. É tudo natural.

O menu degustação endémica custa cerca de $140.000 por pessoa e tem entre 12 e 17 pratos. Para comer a versão ovolactovegetariana, é necessário solicitar pelo menos 24 horas antes da reserva.

Dependendo de quando você for, os pratos podem ser totalmente diferentes, já que o restaurante trabalha com produtos sazonais e o menu está em constante renovação.

Outro lugar que segue uma ideia parecida é o Peumayen. O restaurante trabalha com cozinha ancestral, resgatando a culinária dos povos nativos do Chile.

Tem quatro versões de menu degustação (terra, mar, misto ou vegetariano), que custam a partir de $34.900. Também há a opção de pedir do menu a la carte.

As entradas custam na faixa dos $9.000 e dá para experimentar uma carne diferente com o crudo de guanaco, feito com um camelídeo nativo da região. Já os pratos principais partem de $11.400, caso do tamal y chilena, que é um pastel de choclo servido servido sobre folha de bananeira com salada chilena assada. A degustação de sobremesas sai por $8.900 e o Peumayen tem uma seleção de piscos por $7.500.

O bar do restaurante tem uma coquetelaria autoral e funciona no Salón Chharqu, palavra que significa “desordenado” em aymara, língua nativa de uma região do Chile. Todos os pratos, ingredientes e detalhes do restaurante são pensados para homenagear a história do país.

Preços e informações atualizados em 2023. Cardápios e valores dos restaurantes podem ser alterados a qualquer momento, sem aviso prévio. Confira antes de ir.

Você pode gostar...

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *